GERAL

Moro nega soltura de Eduardo Cunha

Votos de utilizador:  / 0
FracoBom 

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, negou o pedido da defesa do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PDMB-RJ) de revogação da prisão preventiva – que é por tempo indeterminado – do cliente.

O deputado cassado responde a um processo oriundo da Operação Lava Jato, na Justiça Federal do Paraná.

"Não será este Juízo que, revogando a preventiva de Eduardo Cosentino da Cunha, trairá o legado de seriedade e de independência judicial por ele arduamente construído na condução dos processos da Operação Lavajato no âmbito Supremo Tribunal Federal, máxime após a referida tentativa feita pelo acusado de intimidar a Presidência da República no curso da ação penal", afirmou o juiz federal no despacho.

A decisão de Sérgio Moro é desta sexta-feira (10). Na quarta (8), o Ministério Público Federal (MPF) havia se manifestado contrário ao pedido de revogação da prisão do deputado cassado.

Os advogados de Eduardo Cunha pediram, na terça-feira (7), depois do ex-presidente da Câmara ser interrogado pela primeira vez por Sérgio Moro, pela liberdade do cliente. Na audiência, o ex-presidente da Câmara disse ter um aneurisma cerebral.

A defesa argumentou que a instrução do processo já terminou e que, portanto, não haveria mais riscos à investigação.

'Liberdade representa sério risco'
Para o MPF, "ao contrário do que alegado pela defesa no pedido de liberdade, as investigações em face de Eduardo Cunha estão longe de acabar. Pela magnitude, habitualidade e gravidade em concreto dos crimes cometidos pele requerente sua liberdade representa sério risco à instrução processusal dos crimes ainda não denunciados, à aplicação da lei penal e a garantia da ordem pública".

Prisão
Eduardo Cunha foi preso em Brasília, em 19 de outubro. Ele foi levado a Curitiba no mesmo dia. O deputado cassado é acusado de receber propina de contrato da Petrobras para exploração de petróleo no Benin, na África, e usar contas na Suíça para lavar o dinheiro.

Atualmente, o ex-presidente da Câmara está detido no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana da capital paranaense.

Aneurisma cerebral
A defesa de Eduardo Cunha apresentou, na quarta-feira, exames que mostram o aneurisma cerebral do cliente, além de relatório e atestado médicos.

Veja todos os documentos apresentados.
Um dos exames foi feito no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo (SP), em junho de 2015. Outro, de fevereiro de 2016, é do Americas Medical City, no Rio de Janeiro (RJ).

-O atestado do médico Paulo Niemeyer Filho, assinado nesta quarta, relatou que, em 2015, o tratamento cirúrgico foi recomendado.
-O relatório do médico João G. Pantoja, de 8 de janeiro de 2017, afirmou que Eduardo Cunha precisa de avaliação periódica, a cada seis meses.
-O diretor Departamento Penitenciário (Depen) do Paraná disse que o aneurisma não "exclui a custódia" do deputado cassado, pois a pressão arterial dele é controlada com frequência e ele toma a medicação necessária.

Na manhã de quarta-feira, o ex-presidente da Câmara se recusou a fazer os exames que verificam o aneurisma cerebral, conforme o diretor do Departamento Penitenciário (Depen) do Paraná, Luiz Alberto Cartaxo de Moura.

De acordo com Cartaxo, foi a segunda vez que Eduardo Cunha se negou a ser examinado.

Fonte: G1

© Portal F10 todos os direitos reservados www.portalf10.com.br. Desenvolvido por: Uilhia net Web designer
Back to top