POLICIA

Operação Lava Jato transfere presos para presídio no Paraná

Votos de utilizador:  / 0
FracoBom 

Um ônibus saiu do pátio da Polícia Federal (PF) nesta manhã de terça-feira (24) para levar os presos da Operação Lava Jato da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para o Complexo Médico Penal, na Região Metropolitana da capital paranaense. Segundo a Polícia Federal, todos estavam algemados, e chegaram por volta das 9h ao local. A Justiça Federal autorizou a transferência na segunda-feira (23), após a PF alegar superlotação.

A transferência foi autorizada para 12 presos, porém, de acordo com a Polícia Federal, 10 foram transferidos nesta terça-feira. Fernando Antônio Falcão Soares, lobista conhecido como Fernando Baiano, apontado como um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras, e Gerson Almada, ex-presidente da Engevix, ficaram na carceragem da PF. Almada será ouvido mais uma vez pela Polícia Federal e depois será levado ao Complexo Médico Penal.

O Complexo Médico Penal é uma unidade do sistema penitenciário do Paraná destinada a presos provisórios ou condenados que precisam de atendimento psiquiátrico ou ambulatório. Os investigados da Operação Lava Jato - executivos de empresas, ex-diretores, e supostos operadores -  ficaram em celas separadas da maioria dos detentos e, assim como os demais presos, seguirão as mesmas regras dos demais presos.

A transferência da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para o Complexo Médico Penal foi solicitada pela Polícia Federal. A instituição alegou superlotação do espaço. A instituição ainda argumentou que alguns presos não podem se comunicar entre si e, diante do número de detentos, fica difícil acomodá-los em apenas seis celas.

Todos são acusados de participação no esquema bilionário de corrupção, desvio e lavagem de dinheiro atuante dentro da Petrobrás. Eles começaram a entrar no ônibus um pouco depois das 8h, usando capuz e escondendo o rosto.

Cezinando Paredes, diretor do Departamento de Execução Penal (Depen) do Paraná, afirmou que após identificação dos presos, eles passam por uma triagem. O exame de corpo de delito, realizado pelos presos no Instituto Médico-Legal (IML) ainda é válido. De qualquer forma, os suspeitos passam por uma nova vistoria médica.

A distribuição dos presos, afirmou o diretor, cabe à coordenação do Complexo Médico Penal, sem interferência da Polícia Federal.

 

 Fonte - G1

 

 

© Portal F10 todos os direitos reservados www.portalf10.com.br. Desenvolvido por: Uilhia net Web designer
Back to top